27 de março de 2011

Eu...


Eu não sei o que eu quero. Não posso dizer se amanhã estarei sorrindo com o mesmo brilho de hoje. Não posso garantir que você me ame para sempre. Não tenho como saber se vai dar tudo certo. Não posso prometer. Mas posso dizer, que enquanto eu puder estar de pé, eu viverei da maneira mais intensa que se pode viver. Não vou esperar as razões virem até mim. Não posso prever como será o amanhã, mas posso tentar fazer com que o hoje tenha lembranças ótimas para os outros dias.



Kamilla de Muinck.

22 de março de 2011

Que seja, apenas.




Eu vou deixar o tempo dizer o que acontecerá com meu coração. A esperança e os sonhos ainda continuam dentro de mim, embora mais adormecidos quando a tristeza tenta me alcançar. Continuo fazendo pedidos. Desejos que eu sei, um dia irão se realizar. Seja com quem for, seja quando for. Eu não vou desistir. Eu almejarei a minha felicidade sempre. Mesmo que não seja pleno. Que seja, apenas.


Kamilla de Muinck.

20 de março de 2011

"Eu sei que pessoas mudam,

e essas coisas acontecem, mas eu me lembro como era naquela época, trancada em seus braços, e nossos amigos estavam rindo, porque nada como isso aconteceu com eles.
Agora estou andando pelo corredor, perseguindo a rua; flashback de uma noite quando você disse para mim: "nada vai mudar, não para eu e você",
não antes que eu soubesse o quanto eu tinha a perder."

If this was a movie, Taylor Swift.


"(...) I thought you'd be here right now."

15 de março de 2011

Tenha conteúdo.

Seja alta, baixa, gorda, magra, moderna, antiquada, vaidosa, ciumenta, estressada, rigorosa, classe média, milionária, modista, intelectual, loira, ruiva, morena, modesta, carinhosa, destraída, desconfiada, simpática, observadora, discreta, agressiva, calma, alegre, insensata, orgulhosa, prestativa, casual, romântica, atrevida, tímida, atarefada, responsável, baladeira, enturmada, fashion, careta, atraente, arrumada, mulher ou menina, madura ou eterna adolescente:





Seja o que for, que você tenha conteúdo.


Kamilla de Muinck.

8 de março de 2011

Mulher Boazinha.

Em homenagem ao Dia Internacional da Mulher:


"Qual o elogio que uma mulher adora receber? Bom, se você está com tempo, pode-se listar aqui uns setecentos:
mulher adora que verbalizem seus atributos, sejam eles físicos ou morais. Diga que ela é uma mulher inteligente, e ela irá com a sua cara. Diga que ela tem um ótimo caráter e um corpo que é uma provocação, e ela decorará o seu número. Fale do seu olhar, da sua pele, do seu sorriso, da sua presença de espírito, da sua aura de mistério, de como ela tem classe: ela achará você muito observador e lhe dará uma cópia da chave de casa. Mas não pense que o jogo está ganho: manter o cargo vai depender da sua perspicácia para encontrar novas qualidades nessa mulher poderosa, absoluta. Diga que ela cozinha melhor que a sua mãe, que ela tem uma voz que faz você pensar obscenidades, que ela é um avião no mundo dos negócios. Fale sobre sua competência, seu senso de oportunidade, seu bom gosto musical. Agora quer ver o mundo cair? Diga que ela é muito boazinha. Descreva aí uma mulher boazinha. Voz fina, roupas pastel, calçados rente ao chão. Aceita encomendas de doces, contribui para a igreja, cuida dos sobrinhos nos finais de semana. Disponível, serena, previsível, nunca foi vista negando um favor. Nunca teve um chilique. Nunca colocou os pés num show de rock. É queridinha. Pequeninha. Educadinha. Enfim, uma mulher boazinha.
Fomos boazinhas por séculos. Engolíamos tudo e fingíamos não ver nada, ceguinhas. Vivíamos no nosso mundinho, rodeadas de panelinhas e nenezinhos. A vida feminina era esse frege: bordados, paredes brancas, crucifixo em cima da cama, tudo certinho. Passamos um tempão assim, comportadinhas, enquanto íamos alimentando um desejo incontrolável de virar a mesa. Quietinhas, mas inquietas. Até que chegou o dia em que deixamos de ser as coitadinhas. Ninguém mais fala em namoradinhas do Brasil: somos atrizes, estrelas, profissionais. Adolescentes não são mais brotinhos: são garotas da geração teen. Ser chamada de patricinha é ofensa mortal. Pitchulinha é coisa de retardada. Quem gosta de diminutivos, definha. Ser boazinha não tem nada a ver com ser generosa. Ser boa é bom, ser boazinha é péssimo. As boazinhas não têm defeitos. Não têm atitude. Conformam-se com a coadjuvância. PH neutro.
Ser chamada de boazinha, mesmo com a melhor das intenções, é o pior dos desaforos. Mulheres bacanas, complicadas, batalhadoras, persistentes, ciumentas, apressadas, é isso que somos hoje. Merecemos adjetivos velozes, produtivos, enigmáticos. As “inhas” não moram mais aqui. Foram para o espaço, sozinhas."
Martha Medeiros.




3 de março de 2011

"De qualquer modo,




de que adiantava chorar,
quando todas as lágrimas do mundo não mudariam a situação?"








Soul Love - À Noite o Ceu é Perfeito, Lynda Waterhouse.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...